'
  • Sem categoria

EI muda de estratégia e passa do ataque à defesa

Perito iraniano: um dia o Estado Islâmico será uma ameaça para EUA
Após apostar em uma estratégia ofensiva desde sua criação, o grupo Estado Islâmico (EI) há alguns meses passou para uma posição defensiva nas regiões sob seu controle na Síria e no Iraque, após os reveses sofridos em várias frentes, consideram os especialistas.
Este grupo extremista, que em junho de 2014 proclamou a criação de um “califado islâmico”, ultimamente tem sofrido várias derrotas consecutivas em ambos os países, mas também cometeu uma série de ataques devastadores em todo o mundo que deixaram centenas de mortos.
“Os combatentes estão em posição defensiva na maior parte das frentes no Iraque e na Síria, perdendo a iniciativa que caracterizava esta organização”, explica à AFP o pesquisador iraquiano Hicham Al-Hachimi, especialista em atividades dos grupos jihadistas.
Em sua visão, várias razões explicam esta mudança estratégica. Por um lado, “o grupo reduziu parcialmente sua capacidade de movimentação pelos bombardeios sofridos, que destruíram seus depósitos logísticos, fazendo com que perdesse várias rotas de abastecimento”.
Por outro lado, “o grupo perdeu muitos suicidas, que desempenham um papel primordial nos ataques”, completa Hachimi.
As regiões sob controle dos jihadistas estão sendo intensamente bombardeadas pelos aviões da coalizão internacional liderada pelos Estados Unidos e de Moscou, especialmente após os atentados de Paris (130 mortos) e da derrubada de um avião russo (224 mortos), ambos reivindicados pelo EI.
Na Síria, o grupo retirou-se de vastos territórios na província de Hassake (nordeste) e de várias localidades na província de Aleppo (norte).
No Iraque, o grupo, também conhecido como Daesh (acrônimo em árabe), perdeu em outubro o controle da cidade de Baiji e de sua refinaria na província de Saladino, e no mês passado, de Sinjar, a oeste de Mossul. Estas derrotas privaram-no de uma via de abastecimento estratégica entre o Iraque e a …read more

Leia mais: Notícia Final

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close