'
  • Sem categoria

Índia ultrapassará os EUA como 2ª economia mais poderosa do mundo, diz relatório

Funcionário de um banco analisa notas em Bombaim, Ãndia (arquivo)

Até 2030, sete das 10 maiores economias do mundo serão os atuais mercados emergentes, de acordo com o último relatório da Standard Chartered, empresa multinacional de serviços bancários e financeiros sediada em Londres.



A projeção de longo prazo mostra que a Índia provavelmente se tornará maior do que os EUA, enquanto a vizinha China vai roubar a coroa da economia mais poderosa do mundo (atualmente detida pelos EUA) até 2020. Ao mesmo tempo, a Indonésia pode integrar as cinco principais economias.

“A Índia provavelmente será a principal impulsionadora, com a tendência de crescimento acelerando para 7,8% na década de 2020, em parte devido às reformas em curso, incluindo a introdução de um imposto nacional sobre bens e serviços (GST) e o Código Indiano de Falências (IBC)”, diz o relatório, citado pelo site Quartz.

O GST, uma das maiores reformas fiscais a serem implementadas por Nova Déli, foi lançado em 2017. A medida visa simplificar o complicado regime tributário do país. O IBC, lançado em 2016, consolida as leis de falências e insolvência na Índia.


A empresa britânica observou que o envelhecimento da população deverá ter um impacto significativo no crescimento global, mas a Índia, que atualmente é classificada como a sexta maior economia do mundo, permanecerá imperturbável, já que o país possui o maior grupo de jovens do mundo. Quase metade da população indiana tem menos de 25 anos.

“As aspirações crescentes de uma população jovem continuarão a apoiar o consumismo na economia da Índia”, segundo o relatório.

A Standard Chartered também disse que o país precisaria criar 100 milhões de novos empregos nos setores de manufatura e serviços até 2030 para lidar com a demanda por empregos maciços.

“A Índia precisa treinar cerca de 10 milhões de pessoas anualmente, mas atualmente tem capacidade para treinar apenas 4,5 milhões”, diz …read more

Leia mais: Notícia Final

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close