'
  • Sem categoria

BOLSONARO, O POPULISTA

Enfrentando feroz oposição da rede Globo de televisão e da mídia tradicional, o presidente Jair Messias Bolsonaro (JMB) vetou o aumento do óleo diesel, anunciado pela Petrobrás. Um presidente popular?

Anteriormente, pelo veto implícito da indisponibilidade orçamentária, que lhe impusera seu ministro Posto Ipiranga, Paulo Guedes, JMB compensou a ausência do reajuste pela inflação no Bolsa Família, com a criação do 13º salário para este benefício social. Um presidente popular?


Analisemos criteriosamente, sem qualquer partidarismo, o significado destas decisões.

Nem o mais desligado e ingênuo eleitor brasileiro desconhece que o sistema financeiro internacional, a banca, é o principal poder em nosso País.

Denomino Condomínio Governamental Bolsonaro (CGB), a união das quatro principais influências nas decisões nacionais, a partir do início de 2019: a família Bolsonaro, a banca, os neopentecostais e as forças armadas. Sem qualquer ordem nesta enunciação.
Aparentemente, embora com objetivos diferentes, algumas vezes até opostos, o CGB tem em comum a ideologia neoliberal.

Breve sumário da ideologia neoliberal: tudo deve ser feito para agradar o capital financeiro: isenções tributárias, desregulamentações protetoras do bem estar social, da defesa ambiental, do trabalho, prioridade absoluta para pagamento de juros e amortizações sobre quaisquer outras despesas, sejam para a alimentação sejam para defesa nacional, privatizações e juros altos, os mais altos possíveis em face da possibilidade de arcar com eles.

É esta ideologia que, conforme o relatório da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), divulgado em 10/04 passado, está reduzindo a classe média nos 36 países que participam desta Organização. Para a OCDE, classe média é aquela que cada pessoa recebe 25 mil dólares estadunidenses (USD 25.000) por ano, quase R$100.000,00/pessoa-ano..

No Brasil, de acordo com dados de 2017, do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), atualizados para 2018, 50% da população recebia menos de R$10.880,00/pessoa-ano e somente um milhão (0,47%), dos 210 milhões de brasileiros …read more

Leia mais: Notícia Final

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close