'
  • Sem categoria

Marinha do Brasil avalia projeto de porta-aviões indiano

Futuro INS Vikrant, primeiro Indigenous Aircraft Carrier (IAC-1), está sendo finalizado

No mês passado, a Marinha do Brasil enviou um militar da reserva para avaliar o projeto de um porta-aviões indiano.

Segundo oficiais, não há nenhum estudo sobre eventual aquisição, sendo apenas um intercâmbio técnico para manter a “cultura” aeronaval.

O primeiro porta-aviões de construção autóctone (Indigenous Aircraft Carrier – IAC) da Índia, o futuro INS Vikrant, deve iniciar os testes de mar em 2020. Atualmente, a Marinha Indiana opera um único porta-aviões, o INS Vikramaditya, ex-Almirante Gorshkov da Marinha Soviética.

Os primeiros testes de decolagem de aviões de caça do convés de voo do INS Vikrant serão realizados tão logo o navio esteja pronto.

O IAC de 40.000 toneladas tem 262 metros de comprimento, com uma largura máxima de 62 metros. Ele foi projetado para transportar de 30 a 40 aeronaves, incluindo caças MiG-29K, LCA Tejas naval e helicópteros anti-submarino e de reconhecimento.

O IAC suportará as operações STOBAR (Short Take Off But Arrested Recovery – Decolagem curta com pouso enganchado) com uma rampa “ski-jump” para decolagem como o INS Vikramaditya, em vez de uma catapulta a vapor.

O porta-aviões foi projetado com um alto grau de automação na operação de suas máquinas, navegação e equipamentos de sobrevivência. Ele levará uma tripulação de 160 oficiais e 1.400 subalternos.

O navio é equipado com um sistema de gerenciamento de combate desenvolvido de forma autóctone pela Tata Power em colaboração com o WESEE (Weapon and Electronics System Engineering Establishment) e a MARS da Rússia.

A propulsão é composta por 4 turbinas a gás GE LM2500, na configuração COGAG, que permitirão uma velocidade máxima de 28 nós e autonomia de 8.000 milhas náuticas.

O porta-aviões terá uma suíte eletrônica avançada com radares 3D multifuncionais e forte armamento antiaéreo, composto por 4 canhões Otobreda 76 mm, 2 lançadores verticais de 32 células …read more

Leia mais: Poder Naval

By continuing to use the site, you agree to the use of cookies. more information

The cookie settings on this website are set to "allow cookies" to give you the best browsing experience possible. If you continue to use this website without changing your cookie settings or you click "Accept" below then you are consenting to this.

Close